BAMBOO
SETEMBRO, 2014

CASAS DECORADAS POR MARINA LINHARES, REUNIDAS EM LIVRO

Muita madeira, cores neutras, plantas e “bagunça do bem”. Estes são alguns dos elementos presentes no estilo de decoração que leva a assinatura de Marina Linhares. Ela completa agora 20 anos de carreira e decidiu lançar um livro, batizado de Morar é viver, para comemorar a trajetória. Foram dois anos de trabalho de produção e edição. “Eu brinco que chegou uma hora em que eu tive de parar de folhear, porque queria sempre mudar alguma coisa. A escolha dos projetos é totalmente afetiva”, conta ela. As fotos são de Romulo Fialdini, seu parceiro há muitos anos. “O olhar dele captou a essência das minhas casas, sejam sofisticadas ou simples. O importante é que são personalíssimas”, diz.

A casa ter o jeito do dono é fundamental para Marina Linhares. Eclética, ela se considera uma curadora de vidas. “Um objeto que nem é bonito, mas tem significado, deve ser exibido. É o que deixa um lar aconchegante”, explica. Os pertences e estilo dos moradores são o principal na concepção do projeto. As palavras-chaves do seu processo criativo são ouvir, observar e pesquisar. Ela não se prende a um estilo pessoal próprio. “Saio da minha zona de conforto”, conta. Entretanto, sempre valorizando a simplicidade de um bom desenho de peças de qualidade.

O Wabi Sabi, conceito japonês do Século XV, que fala da beleza imperfeita, é outro aspecto importante do seu trabalho. “Muitas vezes o cliente quer tudo em ordem e acabado, mas em decoração sempre tem o empirismo. A casa é um corpo que muda o tempo todo. É o efeito surpresa”, explica. Inclusive, a bagunça, para Marina, é o que deixa o ambiente gostoso. “Quero que as pessoas vivenciem o lar. É o viver dentro do morar”, diz, sobre o título do livro, uma sacada de Maiá Mendonça, que assina os textos.

Marina não sabe bem explicar de onde veio eu peculiar jeito de trabalhar. Ela cresceu no Mato Grosso do Sul, cercada pela natureza. Logo que entrou na faculdade de administração de empresas, acabou indo estagiar com uma decoradora. Quando deu por si, já estava tocando projetos próprios. “Por acaso, descobri um dom natural”, conta.

A dinâmica do trabalho não mudou desde então, apesar, é claro, do escritório ter crescido. Hoje, além dos projetos, ainda assina linhas de roupa de cama, mobiliário e aromas para ambientes.

No livro, além de fotos de projetos, Marina dá suas dicas de estilo. Uma delas revela muito de sua ideia sobre interiores: “É importante criar cantos para quem vive a casa. Espaços amplos para quem recebe muito; cantos de leitura ou de contemplação para os intimistas”. Talvez seja isso, criar casas pensando no dia a dia, particular de cada um dos seus clientes, o segredo do seu sucesso.