KAZA
ABRIL, 2014

KONTAINER

NEOPRIMITIVISMO CHIC

 

Por Allex Colontonio

Foto Alexandre Pirani

 

Estar de Marina Linhares evoca o conforto à moda mineira com aposta no design assinado e nas referencias tribais.

 

“Morar é viver” não é da boca pra fora que Marina Linhares se apropriou da frase para definir os rumos do seu trabalho – tanto nas obras residenciais e comerciais que assina (e que a colocaram entre os medalhões da cena contemporânea), quanto no livro que acaba de editar com este nome, registro dos seus 20 anos de carreira, e que também se desdobra para um projeto multimídia cheio de borogodó, com drops de como viver melhor no espaço doméstico. Sob medida para Kaza, Marina encapsulou exatamente esse mood no nosso Kontainer. O briefing pedia um espaço de estar que evocasse a nova casa mineira – com o conforto do bem receber, o valor agregado do handmade e um traço contemporâneo que transborda de tudo o que vem das Gerais. “Conceituar espaços com boas escolhas de mobiliário, brincando com desenhos e procedências diferentes é o que mais gosto de fazer”. Dito e feito. A partir de um sofazão de jacarandá maciço dos anos 1960 do mestre Jorge Zalszupin, a arquiteta traçou um living cheio de referencias étnicas, onde harmoniza o design assinado com artesanato de primeira linhas – repare nas máscaras indígenas do Xingu e nas esculturas africanas – e um certo savoir-faire que virou sua marca registrada, a partir do acervo do Espaço Cardeal. Por lá, sobre o tapetão natural de Hemp da By Kamy, também entraram em cena mesas de centro de Luca Nichetto (Montenapoleone), a sofisticadíssima poltrona Cité (Vitra), de Jean Prouvé, a cadeira de Carlos Motta (Butzke) e toques surreais como uma lasca imensa de mineral de rocha no meio do living. Neoprimitivismo com classe e sem frescuras, que é a cara da Marina – e a nossa também.